Ouro e Prata

Hoje queremos falar dos materiais que usamos para produzir as nossas peças. Dos diferentes tipos de ouro e de prata, dos banhos, das respectivas qualidades e durabilidades, das opções disponíveis no mercado, do espectro dos preços e tudo mais quanto aqui couber.

A Joalharia

A arte milenar da joalharia consiste na transformação e modelação de metais preciosos em objectos de adorno corporal. E, como arte global e interpretada de maneira diferente, há quem o faça de todas as maneiras e com os mais diversos materiais.

Existe, porém, uma correlação directa entre a qualidade da matéria-prima usada, o preço e a durabilidade da peça.

No que diz respeito à estrutura e composição da peça há quem use maioritariamente materiais como o latão, cobre, níquel ou ligas metálicas, que são maleáveis e bastante baratos, mas de durabilidade muito reduzida, quase descartáveis, e sendo alguns desses materiais, como o níquel, tóxicos para a pele humana, provocando irritações e alergias a quem as usa. É a opção das grandes cadeias internacionais de roupa acessível no que toca à produção de acessórios. A necessidade de manter o custo de produção e o preço de venda o mais baixos possível fá-las optar por estes materiais, produzindo assim acessórios perigosos para quem os faz, para quem os usa e para o próprio ambiente.

Não é, definitivamente, a escolha da TALLISMA. A nossa opção, como a das lojas conceituadas de joalharia, recai nos chamados materiais nobres e hipoalergénicos – no caso o ouro e a prata. Estes distinguem-se dos anteriores pela resistência à corrosão e à oxidação, pela segurança para a pele humana e pelo preço, sendo, por tudo isto, muito mais caros.

Todas as peças TALLISMA são feitas de prata de lei 925. O que diferencia as cores, a tonalidade e o brilho são os banhos que damos a cada uma. Explicamos a opção por este tipo de prata e as características de cada banho. Vem connosco à oficina.

Mar de Prata

A prata é um elemento químico que ao longo da história tem servido os mais diversos fins, de objectos ornamentais a sistemas monetários. Por apresentar uma tonalidade tão distinta, é desde sempre usada na produção de adornos pessoais e na joalharia.

A regulamentação da composição da prata vem do século XV e do nosso rei Afonso V, que estipulava a composição da prata num mínimo de 80% de prata pura e os restantes 20% de outros metais, como o cobre e o latão, na perspectiva de estabilizar o seu valor e padronizar a sua qualidade.

Hoje em dia existem vários rácios de composição de prata, que vão do grau 800 mínimo, correspondente a 80%,  ao 1000, ou 100%, de grau puro. O rácios que cabem neste intervalo definido por esta vetusta legislação levam o nome de prata de lei, que passa assim a caracterizar uma composição de alta percentagem de prata pura.

Esta larga maioria de prata pura permite garantir a qualidade, segurança e durabilidade da prata e permite que os outros materiais utilizados, como o cobre ou o latão, sirvam apenas para lhe dar corpo e modelação, uma vez que a prata pura não permite trabalhos de joalharia devido à sua excessiva maleabilidade. Deste modo, a prata 950 e a prata 925 são as mais indicadas e mais habitualmente usadas para trabalhos de joalharia.

A prata 950, composta por 95% de prata pura e 5% de outros materiais, apresenta uma percentagem menor de outros materiais e é ligeiramente mais resistente mas, e em consequência, é mole demais para ser trabalhada nos nossos modelos e na maioria das peças de joalharia.

A prata de lei 925, composta por 92.5% de prata pura e 7.5% de outros materiais, por apresentar uma relação mais equilibrada entre prata pura e outros materiais que permita uma durabilidade e maleabilidade maiores, é o tipo de prata mais escolhido para trabalhar em joalharia de qualidade em todo o mundo. O termo Sterling Silver, que vemos em tantos sites de referência internacionais, refere-se precisamente à prata de lei 925.

Foi esta última a nossa escolha para compor e modelar as peças que oferecemos e para poder cumprir a nossa visão de oferecer peças de qualidade.

Banhos

As peças TALLISMA apresentam, por enquanto, duas tonalidades diferentes: prata e ouro. Como acabámos de referir, todos os nossos produtos são feitos integralmente de prata de lei 925. Mas isso assegura-nos apenas a robustez e a qualidade que pretendemos mas não as cores brilhantes e lustradas do ouro e da prata que caracterizam os nossos anéis, colares e pulseiras. Como o fazemos? Através dos banhos que damos às nossas peças: o banho de ródio para as peças prateadas e o banho de ouro para as peças douradas. Contamos-te agora mais sobre cada um deles.

 O Brilho do Ródio

O ródio é um elemento químico de alta ductilibilidade, pertencente ao grupo da platina, e de cor prateada. É também um excelente reflector de luz e é altamente resistente à corrosão, sendo o elemento perfeito para banhar as peças a que pretendemos dar a coloração prateada. Todas as peças TALLISMA que tenham a cor prata levam banho de ródio quer para as tornar mais brilhantes, quer para que durem mais, numa protecção acrescida à qualidade da prata que usamos.

A Alquimia do Ouro

Nenhuma loja de joalharia fica completa sem o material precioso mais desejado do mundo. O ouro, pelo magnetismo e beleza naturais, é o mais valioso dos metais.

O ouro, à semelhança da prata, é demasiado maleável para compor peças de joalharia. Neste caso, porém, a solução não foi fundir o ouro puro com uma pequena percentagem de outros materiais mas sim banhar a prata de lei 925 que compõe as nossas peças com ouro. Isto deve-se sobretudo a dois factores: à maior dureza da prata face ao ouro, proporcionando esta trabalhos mais detalhados como os que apresentamos na nossa colecção; e ao preço do ouro, que levaria o produto para preços que consideramos desajustados para a ideia que temos para a TALLISMA.

Assim, todas as peças douradas que vendemos são peças compostas por prata de lei 925 e banhadas a ouro. Este material é resistente à corrosão por outros produtos químicos e apresenta um sistema de avaliação da pureza semelhante ao da prata, que se consubstancia numa medida com o nome de quilate. Quanto maior o quilate do ouro maior a sua presença na composição, onde se mistura com os metais que lhe dão corpo. A escala vai do quilate 1 ao 24, sendo o primeiro correspondente a 4.6% de ouro face aos restantes 75.4% de outros metais e o segundo correspondente a 99.99% de ouro, ou seja, praticamente ouro puro.

Todos os banhos das nossas peças são dados com ouro de 24 quilates, que, por ser o que maior quantidade de ouro apresenta na sua composição, é o mais resistente à corrosão, o mais maleável e o que melhor se aplica aos pormenores e relevos a que vão dar cor.

A Marca TALLISMA

Todas as opções que tomámos na escolha dos materiais e que aqui vos contámos foram adoptadas com o intuito de oferecer aos nossos clientes peças de qualidade, que perduram e que marcam uma vida. E é essa lógica que justifica os preços que apresentamos, que consideramos ser de gama média para a realidade portuguesa.

A nossa ideia primordial é a de oferecer peças de joalharia de qualidade superior e com um significado associado, de forma a fornecer uma alternativa de qualidade e portuguesa ao mercado de peças praticamente descartáveis das grandes cadeias, que vão até aos 10€, e ao mercado das grandes marcas de luxo que oferecem peças inócuas e, embora de qualidade, extremamente caras para o contexto português, a partir dos 100€.

Com um design moderno e atractivo e com uma oferta que vai dos 20 aos 90 euros, e com uma média de 40 euros por peça, queremos ser a tal alternativa que represente uma oferta nacional de qualidade, que cremos, pouco existe no mercado português.